07 Dez 2015• Por Equipe Vitrine da Joia

Peças em baixa fusão: desmentindo mitos e conhecendo o processo

É muito comum hoje em dia as pessoas confundirem o real conceito de peças produzidas em baixa e ALTA FUSÃO. Ao contrário do que muitos pensam, ambas prezam pela qualidade e possuem características peculiares. Pensando nisso, a Vitrinne entrevistou Ruan Antiqueira, da Resiliens Brutos, para nos mostrar o processo de produção de uma peça em baixa fusão e ainda esclarecer algumas dúvidas comuns entre os clientes desse mercado.

Leia mais sobre alta fusão em >>> Como é fabricada uma joia em alta fusão

VM - Qual a principal diferença entre a alta e baixa fusão? 

Ruan - As principais diferenças entre os processos de alta e baixa fusão estão na temperatura de fusão do metal, por isso a diferença na nomenclatura. Devido a essa diferença de temperatura, a liga metálica utilizada em cada processo é diferente, não em termos de qualidade, mas na capacidade de modelagem. Enquanto a alta fusão permite produção de peças com mais detalhes, a baixa fusão encontra algumas limitações. No entanto, graças ao desenvolvimento de novas tecnologias, a cada dia os limites dessa produção são derrubados.

 

VM - A qualidade se mantém na baixa fusão?

Ruan - A qualidade das peças produzidas em ambos os processos é mais uma questão de cuidado no acabamento do que produção. Existem peças de baixa fusão que se passam por joias para olhares mais desatentos.

 

VM - O que dá para ser feito na ALTA FUSÃO e o que pode ser feito na baixa?

Ruan - O processo de alta fusão permite uma produção de peças refinadas com gravações de alta joalheria e detalhes de tirar o chapéu. No caso da baixa fusão algumas cravações ainda são um desafio, mas o acabamento das peças está ficando cada vez melhor sem ficar nem um pouco para trás

 

VM - Quais as vantagens da baixa fusão?

Ruan - A principal vantagem hoje da baixa fusão é a agilidade na produção de peças e no baixo custo de produção. Deste modo, podemos oferecer peças com acabamento primoroso, preços competitivos e um bem que não podemos calcular em dinheiro: o tempo.

 

O PASSO A PASSO

Ruan ainda nos levou para conhecer o passo-a-passo, desde a criação até a peça pronta para banho. Acompanhe o processo completo (a galeria de imagens pode te guiar):

1. É feito um rascunho da peça à mão;
2. O desenho é digitalizado;
3. O desenho é impresso em 3D ou protótipo de metal;
4. Com o 3D ou protótipo é feita a borracha de modelagem;
5. Uma vez bem sucedida a modelagem, é montada a borracha de produção, que conta com uma borracha para cada modelo;
6. Depois da borracha de modelagem, a equipe dá um bom acabamento nos modelos que saem dela para colocar uma peça excepcional na produção;
7. Com a borracha de produção pronta já é possível levá-la para a máquina que vai produzir a peça a partir do molde da borracha;
8. São tiradas as rebarbas das peças produzidas que ainda passarão por um processo de polimento e limpeza;
9. Com as peças limpas e polidas já é possível vendê-las como peças brutas, em que o cliente levará para serem banhadas na empresa de sua preferência.

 

 

Mais de uma centena de pessoas estão tendo resultados, aumentando as suas vendas em até 10x em 3 meses e com uma carteira de clientes realmente apaixonadas pelas suas marcas. Se você quer ter esses resultados, CLIQUE AQUI e faça parte do MÉTODO VITRINNE, o maior e melhor curso do mercado para quem quer ter uma marca de semijoias de sucesso.

 

 

 

Texto: Elisa Baeninger Grego

Arte: Julia Candido

Comentários via Facebook

Comentários

Seu e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com asterisco (*).



Assine nossa newsletter

Últimas do Instagram